", }); });
Quarta, 29 de Junho de 2022
°

-

Dólar
R$ 5,27
Euro
R$ 5,54
Peso Arg.
R$ 0,04
Geral Tudo Caro

Cesta básica registra elevação no preço e volta a ultrapassar os R$ 700 em MT

O levantamento foi realizado pelo Instituto de Pesquisa e Análise da Fecomércio Mato Grosso (IPF-MT).

10/06/2022 às 08h37
Por: Redação Fonte: Assessoria
Compartilhe:
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Assessoria

 

Com o aumento de R$ 12,52 no valor da cesta básica registrado na segunda semana de junho sobre a primeira, os mantimentos considerados essenciais para subsistência de uma família de até quatro pessoas voltaram a ultrapassar a casa dos R$ 700, chegando a custar, atualmente, R$ 709,28, segundo levantamento realizado pelo Instituto de Pesquisa e Análise da Fecomércio Mato Grosso (IPF-MT).

 

A alta no valor está refletida no aumento do preço de 61% dos alimentos que compõem a cesta básica verificado na semana, com destaque para a elevação no custo da manteiga, que registrou um salto de 14,5% sobre a primeira semana de junho. O tomate também apresentou alta no comparativo com a semana anterior, resultando em uma variação de 12,96% sobre o mesmo período.

 

Para o diretor de pesquisas e superintendente da Fecomércio-MT, Igor Cunha, a alta no valor da cesta ainda pode estar relacionada com a queda de temperatura, interferindo na elevação do preço de determinados produtos. “A onda de frio que atinge o país afeta a produção de alguns alimentos, reduzindo a oferta nos mercados ou na qualidade dos produtos”, explicou.

 

Segundo análise do IPF-MT, o preço do combustível também influencia o custo dos alimentos cobrados nos mercados. “Apesar de a inflação de maio registrar desaceleração, puxada, principalmente, pelo recuo no preço da energia elétrica e dos combustíveis, o alto valor ainda cobrado nos postos, em especial para os caminhões, impacta no aumento dos produtos básicos de consumo”, afirmou Igor Cunha.

 

Já para os alimentos que demostraram queda semanal, o açúcar já acumula a segunda queda consecutiva, com variação semanal de -4,95%. Com isso, o mês de junho contabiliza retração no preço de 6,25%. Os consecutivos recuos no preço para o produto podem estar relacionados com a alta oferta do item nos mercados.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários